Altos e Baixos


As adversidades
são desafios que nos fazem crescer
As facilidades
são armadilhas que nos fazem perecer

Nada é constante
só não muda a mudança
Viva o instante
tenha fé e esperança

A pedra no caminho
é o teste de resistência
Ainda que sozinho
tenha sempre resiliência

08/04/2018 © Lucimar Justino

ESTRANHAMENTOS - Novo Livro!!!

Tenho o prazer de compartilhar com meus leitores essa excelente notícia: novo livro a caminho! #ESTRANHAMENTOS. Esse é o seu título. Uma coletânea de poemas escritos de 2004, após Gritos de Liberdade, até início deste ano, 2018.

Só falta concluir a arte da capa! Falta pouco! É um livro muito especial! Feito com muito carinho e dedicação para entregar o melhor a você!

Além disso, penso em fazer uma nova edição do Gritos de Liberdade, após.

Tem muitas novidades por vir. 

Grande abraço!

Por mais Cafunés


Paciência

Paciência é a arte de esperar consciente
Paz e ciência
Ausência de conflito
Mais ouvido e menos barulho
Olhar atento e seguro
Fácil dizer
Difícil fazer

Paciência é a prática da tolerância
Paz e esperança
Presença de espírito
É saber o momento oportuno
É esperar a semente germinar em terra seca
É enxergar o futuro com o coração
Viver o presente e seguir em frente

03.04.2018 - Lucimar Justino

Viagem da Vida

Viajo na vida
Sacolejando
Entre buracos e pedras
Curvas e rios

Atravesso a nado
Se tenho sede de paisagem
Construo uma ponte
Se contemplo a viagem

02.04.2018 - Lucimar Justino

O Eco do Silêncio



Vago

por entre paredes frias

e no escuro do meu quarto

vazio

escuto o eco do meu silêncio

e divago

frio

Percorro saudades

e morro

rio

  

08/03/2018 © Lucimar Justino

Basta-me a vida

Basta-me o ar
a noite escura
as estrelas e o luar

Basta-me uma sombra
água fresca
e uma rede para sonhar

Basta-me o frio
o sol, o sal e o rio
e um anzol para pescar

Basta-me o silêncio
os grilos e os pássaros
e uma cabana para morar

Dia Internacional da Mulher



Mulher, a obra prima de Deus
a integração perfeita com a Natureza
O Sol do mundo, as fases da Lua
com sua sensibilidade e delicadeza

Mulheres, por melhores condições de vida
por igualdade de direitos no trabalho
pelo direito ao voto e à liberdade
foram à luta: sacrifícios e vitórias

Mulher mãe, mulher esposa, mulher múltipla
Mulher avó, mulher tia, mulher filha
Mulher no quarto, na sala, na cozinha
Mulher no trabalho, na escola, mulher poesia

As mulheres são a alma do mundo
As mulheres são a janela da vida
Só estamos no mundo porque as mulheres existem
Beleza divina e o amor mais profundo

O mundo ainda é dominado por homens
irracionais, inconsequentes, psicopatas...
O mundo precisa de mais mulheres no poder
na política, na diplomacia e onde elas quiserem

O mundo com mais mulheres
será um mundo cada vez melhor
Os homens já erramos muito
está na hora de elas acertarem

Já matamos muito e ainda pegamos em armas
vamos às guerras e nos matamos uns aos outros numa luta imbecil
De Oriente a Ocidente corre o sangue da humanidade
No rosto de crianças inocentes e mulheres indefesas

Está na hora de pegarmos mais em canetas, livros
Mais amor, menos armas, e mais mulheres no poder
 

Nostalgia



Viajo pela estrada do meu peito
O vento toca os meus cabelos
O sol, o céu e o sal do mar
As nuvens, a chuva e o cheiro de terra molhada
A água quente correndo pela estrada
O riso, o rosto e o gosto de viver a vida
O tempo não existia
O tempo todo era só o instante
A terra revirada
A água e o barro
Meus castelos de sonhos
Tinha todo tempo do mundo
E  o tempo todo era feliz
Era inocente, puro, inteiro

um dia frio na montanha

um dia frio na montanha é muito bom
muita garoa
vento cortante
fogão de lenha
um livro gostoso
e todo tempo por viver

28.04.2007

Por mais cafunés

Por mais cafés
Mais cafunés...
Mais abraços
Menos espaços
Entre mim e você...
Eu faço o seu café
Você faz o meu
Um dedo de prosa
Um riso, um verso
Eu desconverso
Gargalhadas e silêncio
Um brinde à vida!


01.03.2018

Sono

A sombra da noite
persegue meu dia
soca meus olhos
beija meu corpo
afaga meu ego
e se desfaz

Fluidez

A água
       contorna
       o entorno
e se torna
       no espaço
a forma
       que ocupa
no laço
       que abraça
               a plenitude

Alvorada Encantada

Acordo
com os passarinhos

Eles não têm café da manhã como eu
Eles nem sabem se haverá sol
Há filhotes caídos do ninho na noite de chuva

Mas ainda há estrelas no céu
E isto é o bastante
Eles não reclamam
O universo pulsa
Eles apenas vivem
Como os lírios dos campos
Eles cantam e ecantam
É uma orquestra de cantos e pios
Andorinhas e pardais
Bentivis, pintassilgos e colerinhas
Tico-ticos e sabiás
E o canto é o desjejum
É tudo que têm

Fluidez