Sono

A sombra da noite
persegue meu dia
soca meus olhos
beija meu corpo
afaga meu ego
e se desfaz

Fluidez

A água
       contorna
       o entorno
e se torna
       no espaço
a forma
       que ocupa
no laço
       que abraça
               a plenitude

Alvorada Encantada

Acordo
com os passarinhos

Eles não têm café da manhã como eu
Eles nem sabem se haverá sol
Há filhotes caídos do ninho na noite de chuva

Mas ainda há estrelas no céu
E isto é o bastante
Eles não reclamam
O universo pulsa
Eles apenas vivem
Como os lírios dos campos
Eles cantam e ecantam
É uma orquestra de cantos e pios
Andorinhas e pardais
Bentivis, pintassilgos e colerinhas
Tico-ticos e sabiás
E o canto é o desjejum
É tudo que têm

Metamorfose

Crescer dói.
A zona de conforto é o paraíso;
a rotina, o inferno, tudo ao mesmo tempo.
Uma bolha de pensamentos, sentimentos e emoções prestes a estourar.

O medo dissipa a vida.
Não há outro caminho a não ser transformar-se, agir, fazer, atrever-se.
Libertar-se das trevas, da estupidez, da mediocridade.

Luto um livro

Luto
para não ficar louco
Surto
daqui a pouco

Leio um livro
leve, viajo
livre da ignorância
em breve, ajo!


O Som do Universo

O som
                   do universo
                          é verso
          de silêncio
                             e paz

Homem Livre



O que mais me cansa
É a máscara que tenho de vestir
Para ser quem não sou
Nem nunca serei, até despir-me
De mim mesmo
E ser apenas pássaro, vento, brisa...

Nonsense




O medo
Cala meu grito
E bebo
Cevada de litro

Cedo não acordo
Na cama fico
De tudo discordo
E a manada sigo

Nu Começo

Nu começo:
era verbo
(amar?)
era sonho, era signo
era nome, pô-ema
que se fez carne
que se fez vácuo
fato
tripa
que se fez gente
que se fez livro
                     
02/08/2005

Noite e Dia

noite e dia

à tarde
quando a noite deixa cair seu vestido preto
repleto de estrelas
eu sinto o cheiro dos seus cabelos
molhados
sinto a sua pele fresca do banho quente
e o seu perfume penetra-me os desejos

à noite eu tenho sonhos
e nos meus sonhos você me abraça
eu sinto os seus suspiros, a sua boca, seus seios
eu ouço os seus desejos, eu tiro a sua roupa
eu sinto suas mãos, te abraço forte
me perco nos seus beijos, eu te amo

30/01/07 19:53:53

O Beijo

Você fica
brava

vozefica
brasa

e             vomita       uma
palavra

que        paralisa         os
meus lábios

Sou o que penso



Sou o que penso
porque não ouvi o que disseram.

Às vezes tento não me ouvir
para salvar-me de mim.

Enfim, sou o que penso,
e pensando, sou.

O Sopro da Vida


o silêncio aperta
o meu peito
madrugada adentro

a palavra cala
a boca não fala
não sopra o vento

não ouço um grito
a frase me escapa
foge o pensamento

o verbo paralisa
olhar de Mona Lisa
silêncio e sono

um pássaro desperta
a alma incerta
neste abandono

o silêncio espeta
o meu peito
de sopro e vida

Embu das Artes, domingo, 31 de julho de 2011.

Fonte da imagem: http://joaofelix.blogspot.com/2009/06/o-sopro-da-vidaum-ensinamento-de.html

Lavrador de Palavras


madrugada bruta
frios latidos
ecoam pela cidade
finos gemidos
de fêmeas no cio

algumas lágrimas
e outros soluços
de crianças na rua

madrugada bruta
eu já de caneta nas costas
sou lavrador de palavras

Fome Zero




Como palavras;
um prato de biscoito não mata minha sede

Ganho um prato de fome zero
meu nome que quero, compro

Escarro fome
e compro
um carro zero
para ser gente

Vendo esmola
e cobro imposto dos famintos

Não tenho fome
e meu título sujo
cobre um corpo sem nome

14/07/2005 - há seis anos.

Sono

A sombra da noite persegue meu dia soca meus olhos beija meu corpo afaga meu ego e se desfaz