O Calo do Silêncio

Tenho tanto a dizer
e tijolos calam meus dedos
Esse silêncio que se vê nos meus olhos
é uma vontade louca de gritar meus medos


Tenho um calo no peito:
bolha de coisas indizíveis

19/06/2010
Ao reproduzir um poema, cite a fonte. Todos os direitos reservados pelo autor. Plagiar é crime!  Respeite os direitos autorais!

Sono

A sombra da noite persegue meu dia soca meus olhos beija meu corpo afaga meu ego e se desfaz