4.5.06

deserto

masco um adjetivo
conjugo um verbo entre meus dentes
e um substantivo rasga minha garganta

já fui poeta de cantar amor
hoje já não canto nado
o mais profundo deserto de mim mesmo

7 comentários:

  1. eita, estamos só...
    os dois desertificados, poeira pelos ares!
    queria ter mais tempo pra vir aqui mais vezes...
    queria tanta coisa que não tenho!
    beijos

    ResponderExcluir
  2. , mergulhar em o mais profundo. descobrir outras marcas, outras frases. e o deserto pode ser tão bem fértil.
    |abraços meus|

    ResponderExcluir
  3. Lucimar,
    neste seu deserto, nascem lindas, brilhantes e pequeninas flores, cujas pétalas são versos de enorme beleza.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá Lucimar.
    O deserto de nós mesmos é a grande matéria prima deste nosso tempo.
    cabe-nos dolorosamente cantá-lo.
    abraços
    rubens

    ResponderExcluir
  5. Olá Lucimar! Primeira vez que visito seu blog, gostei bastante dos poemas que li por aqui. Um beijo!

    ResponderExcluir
  6. você também é adepto da literatura homeopática... gostei.
    inclusive, peguei esselink do blog de camiles. parabenz

    ResponderExcluir
  7. Em geral acho que a poesia não deve falar de si mesma e muito menos os poetas devem falar d'o"poeta", que obviamente pretendem-se eles mesmos: "opoeta" isso, "opoeta" aquilo.
    Mas este entrou na porta das exceções à minha regra profilática.
    Abração. Jean.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...