17.2.06

Espuma Temporária

Alguns leitores teceram comentários sobre as leituras deste poema, estou republicando na sua nova forma. Abraços e até segunda!
.
.
.
Quem sou eu? Nada sei de mim
transparente espuma temporária
vago no abismo da estratosfera
sem passado e sem futuro
um abismo em mim mesmo
uma pena que se move
sobre a folha nua
na tentativa
inútil
útil
til
e
ma
ema
que voe
que tenha asas
de escrever um poema

2 comentários:

  1. Lucimar, boa tarde.
    Perfeita combinação de conteúbo, beleza e forma.
    Adorei

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Wow. Seems like a beautiful poem, Lucimar. Even though I don't speak one word of Portuguese, I'm Lost in Googly Translation.

    Wouldn't mind an English version :)

    Adorei.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...