Aviso aos navegantes

"Nossa maior fraqueza está em desistir.O caminho mais certo de vencer é tentar mais uma vez."
Thomas Edison
Olá,
o blog está meio parado, faz tempo que não posto... pois é! Terei que me afastar da grande rede por um tempo indeterminado. Mas eu volto!
Confesso que fiquei um pouco desanimado com os projetos literários, e me agarrei à vida de concurseiro. A curto prazo é a melhor opção! Concurseiro, mas não de concursos literários... rs. Concurseiro de concurso público.
Assim que puder retomarei meus projetos literários. Quem sabe publique um livro. Quem sabe escreva alguma coisa... Quem sabe... não sei... Enquanto isso permanece no ar estes meus versos para quem gosta de saboreá-los. Agradeço o carinho e a visita de todos. Muito obrigado!!!
Um grande abraço e até breve. Sentirei saudades!

desejo mudar o mundo

sou chato e incomodo porque desejo mudar o mundo
quero motivar as pessoas a ultrapassar seus próprios limites
se consigo não sei, mas tento
não sou eu esse que vos fala
sou tantos e não sou ninguém
tenho tantos em mim
trago toda a memória inconsciente dos meus antepassados
sou um mundo inteiro mas desconheço-me
e o que tento é descobrir quem sou
talvez seja chato, não sei, mas sou tantos
também sou esse cara que sorri que chora e sofre: idiota
humano ser normal
nem estou preocupado em fazer versos
apenas escrevo neste nosso público-privado espaço
se alguém se sentir eu saberá entender-me quem sou
do contrário são palavras nuas perdidas na noite erma e fria
já me esqueci o que é ser poeta
nem sei se sou lá ou se me vai

pé no rabo do futuro

é madrugada e estou aqui perdido
nas entranhas desta rede cibernética
ouço música ouço a mim ouço o mundo
ouço ouço ouço osso osso oco
e tenho sede, água
imagino um mar sob o céu da minha boca
o dia foi praticamente inútil
...
mas sinto saudades do futuro
meu céu era tão estrelado naquele tempo naquela terra
ficava imaginando o que havia além daquelas montanhas
era tão lindo tão sujo e tão puro
cheiro de bosta de vaca e flores do campo
...
a gente anda tanto cai tanto e de tanta pedra
um dia põe o pé no rabo do futuro e pisa firme no passo incerto
...
mas é certo que cedo ou tarde a gente aprende
toma o fardo e caminha porque o futuro sempre foge e é lindo
...
eu o amo
estou apaixonado pelo meu futuro
e já sinto saudades, não sei porquê

O Velho e o Teto

...............................................Como se o tempo
durante a noite
...............................................ficasse parado junto
...............................................com a escuridão e o cisco
...............................................debaixo dos móveis e
...............................................nos cantos da casa
...............................................prendendo poeira e picumãs


...............................................Como se o vento
durante o sono
...............................................trouxesse de volta o tempo
...............................................e soprasse um sonho
...............................................já velho de meninice


...............................................Como se o relógio
amarelado na parede
...............................................não tivesse pressa
...............................................e gemesse seus segundos
...............................................à espera da aurora
.
Poema que compus completando o poema do Ferreira Gullar (em itálico) para participar de uma promoção do do PortalLiteral, porém meu texto não foi selecionado.

quanto tempo

faz tempo não escrevo um poema
jaté perdi o manejo da pena...
e ando vagando por aí
como pássaro sem asa
...
mas quem sabe um dia...
nunca se sabe a gente
quando pinta aquela íntima vontade
de se tirar toda pena

deserto

masco um adjetivo
conjugo um verbo entre meus dentes
e um substantivo rasga minha garganta

já fui poeta de cantar amor
hoje já não canto nado
o mais profundo deserto de mim mesmo

qualquer coisa...

ela diz não com lábios de sim
me dá um sorriso
vira as costas pra mim

morde meus lábios
lateja minha alma
seios em flor e perfume de jasmim

a língua é...

"A língua é ou faz parte do aparelho ideológico, comunicativo e estético da sociedade que a própria língua define e individualiza."
(Leonor Buescu)

e depois

A rua, o ponto, o Parque
A sombra, o sonho, o beijo
O plano, o sol, o leque
O toque, a sede, o desejo

O pássaro, a grama, a água
O menino, a vida, nós dois
A briga, o ego, a mágua
A rua, o ponto, e depois...

microlivro

Este é o microlivro que finalmente saiu. Reúne onze micropoemas especialmente selecionados. Faço neles uma reflexão da vida, feita de pequenos momentos, de espaço-tempos que nunca se repetem, por mais que ela nos pareça monótona. São espumas temporárias que se vão com o vento deixando saudades de um tempo que não existe, porque o que nos há é apenas e unicamente o hoje: este minuto, este segundo.
Você pode adquirir, de qualquer parte do Brasil, pelo preço de R$ 3,00. Envio pelo correio. Entre em contato por e-mail... ou deixando um comentário.

Esclareço que não está mais disponível. Agradeço sua visita e peço, caso tenha interesse neste microlivro ou no outro (Gritos de Liberdade), que aguarde seu relançamento ou a edição de um novo livro. Texto editado em 20/07/2011.

Como se conjuga um empresário

Autor: Mino

Acordou. Levantou-se. Aprontou-se. Lavou-se. Barbeou-se. Enxugou-se. Perfumou-se. Lanchou. Escovou. Abraçou. Beijou. Saiu. Entrou. Cumprimentou. Orientou. Controlou. Advertiu. Chegou. Desceu. Subiu. Entrou. Cumprimentou. Assentou-se. Preparou-se. Examinou. Leu. Convocou. Leu. Comentou. Interrompeu. Leu. Despachou. Conferiu. Vendeu. Vendeu. Ganhou. Ganhou. Ganhou. Lucrou. Lucrou. Lucrou. Lesou. Explorou. Escondeu. Burlou. Safou-se. Comprou. Vendeu. Assinou. Sacou. Depositou. Depositou. Depositou. Associou-se. Vendeu-se. Entregou. Sacou. Depositou. Despachou. Repreendeu. Suspendeu. Demitiu. Negou. Explorou. Desconfiou. Vigiou. Ordenou. Telefonou. Despachou. Esperou. Chegou. Vendeu. Lucrou. Lesou. Demitiu. Convocou. Elogiou. Bolinou. Estimulou. Beijou. Convidou. Saiu. Chegou. Despiu-se. Abraçou. Deitou-se. Mexeu. Gemeu. Fungou. Babou. Antecipou. Frustrou. Virou-se. Relaxou-se. Envergonhou-se. Presenteou. Saiu. Despiu-se. Dirigiu-se. Chegou. Beijou. Negou. Lamentou. Justificou-se. Dormiu. Roncou. Sonhou. Sobressaltou-se. Acordou. Preocupou-se. Temeu. Suou. Ansiou. Tentou. Despertou. Insistiu. Irritou-se. Temeu. Levantou. Apanhou. Rasgou. Engoliu. Bebeu. Rasgou. Engoliu. Bebeu. Dormiu. Dormiu. Dormiu. Acordou. Levantou-se. Aprontou-se ...

o prêmio


E fui hoje receber o prêmio: aqui está a Antologia. E sabe mais? Você pode fazer o download (clique no livro) e ler todos os textos, na íntegra. Também a Antologia de Contos. E para quem quiser participar da edição de 2006, as inscrições estão abertas. Vamos que vamos!

mais uma vez

Obrigado Camila, obrigado Rubens! Fiquei feliz pelos comentários!
..
Cheguei do curso preparatório que estou fazendo, por volta das 22h30min, e aí tive vontade de desafogar a alma, escrever uma carta ao mundo inteiro, tanta coisa atravessada na garganta, mas eu sei que por enquanto não posso fazer isso. Um dia direi e todos saberão. Não é da mulher amada que eu falo, essa já se foi. É à vida que me refiro. E para dar ânimo a mim mesmo e aos que por aqui possam passar, deixo essa frase transcrita num "folder" que peguei hoje no cursinho que faço:
...
"Nossa maior fraqueza está em desistir. O caminho mais certo de vencer é tentar mais uma vez."
Thomas Edison

noite escura

não sei que horas são
nem que dia santo
.
o tempo corre
e eu percorro a vida
a caminho da morte
.
enquanto houver luz
serei gente

Ser

Sou duro e frio
Como uma noite de inverno

Sou puro e rio
Como o diabo no inferno

Sou muro e mio
Como um louco me interno

Convite

Olá, estou de volta depois de um tempo sem postar. E recebi nesta semana o convite da Univap para participar da Cerimônia de entrega dos prêmios de sua Antologia Poética de 2005, da qual participei e fui selecionado com o poema "A Palavra Dura", conforme já dito.
E o livro, do qual falei no último post, ou melhor, o microlivro de micropoemas, está em fase de acabamento, acredito que deve sair até o fim da próxima semana ainda. E vamos que vamos porque a vida continua...

novidadade

Boa noite, bom dia, boa tarde... novidade: está no forno um delicioso livro de poemas preparado especialmente pra você!!! Aguarde... Abraço, ótima terça-feira e inté mais!!!

mulher gosta de...

eu não tinha estes olhos tristes só tinha um amor platônico pelo qual chorava mas não sentia saudade eu me sinto um cão sem dono e quero um colo de mãe de mulher sei lá preciso de um toque de um sorriso e a mulher que amo não percebe não vê e eu sinto falta sinto sua respiração sinto e sou assim um abismo de solidão e lágrimas e sem vergonha escuto as batidas no meu peito a me sucumbir eu ligo eu vou eu brigo por amor e que ganho eu com isso elas dizem que os românticos sempre se ferram mulher gosta de... de quê?

Mude

Mas comece devagar,
comece na sua velocidade.

Sente-se diferente, em outra cadeira,
no outro lado da mesa.
Mais tarde, mude de mesa.
Quando sair, ande pelo outro lado da rua,
depois mude de caminho,
ande por outras ruas, mais devagar,
observando os lugares por onde passa.
Tome outros ônibus, se for o caso.

Mude por uns tempos o estilo das roupas,
dê os seus sapatos velhos,
procure andar descalço por uns dias.
Tire uma tarde livre
para passear no parque ou na praia.
Saia sozinho para ouvir o canto dos pássaros.

Veja o mundo de outras perspectivas.

Abra gavetas e portas com a mão esquerda.
Durma no outro lado da cama.
Depois, de ponta-cabeça.
Assista a outros programas de tv,
compre outros jornais,
leia outros livros,
viva outros romances.
Troque de carro.
Não faça do hábito um estilo de vida.

- Ame a novidade.

Corrija a postura, faça ginástica, durma mais tarde, ou acorde mais cedo.
Aprenda uma palavra nova por dia
numa outra língua.
Escolha novas comidas, temperos, cores,
diferentes delícias.
Experimente a gostosura da pouca quantidade.

- Tente o novo todo dia.
O novo lado,
o novo método,
o novo jeito,
o novo sabor,
o novo prazer,
o novo amor.
- A nova vida.

Faça novos amigos, mantenha novas relações,
almoce em outros lugares,
vá a outros restaurantes,
tome outros tipos de bebida,
compre pão em outra padaria.
Almoce mais cedo, jante mais tarde - ou vice-versa.
Escolha outro mercado,
outra marca de sabão, novos cremes.
Tome banho em horários variáveis.
Use canetas de outras cores.

Vá passear em outros lugares.
(Comece agora uma viagem para bem longe do aqui.)

Faça amor de modos diferentes.
Troque de bolsa, de carteira, de malas.
compre novos óculos,
escreva outras poesias, jogue fora o despertador.
Abra conta em outro banco.
Vá a outros cinemas, novos cabeleireiros,
outros teatros.
Visite novos museus.

- Mude.

Você conhecerá coisas melhores
e coisas piores do que as já conhecidas,
mas não é isso o que importa.
O mais importante é a mudança,
o movimento, o dinamismo,
a energia.
Dessa forma, apenas dessa forma - você viverá.
- Só o que está morto não muda!
Edson Marques
No livro Solidão a Mil
.

Intolerância



Aos poucos você me mata
atira lajotas na minha cabeça
atira tijolos que eu uso para construir nosso castelo
essas palavras que eu uso para sonhar nossos sonhos

Palavras que penetram minha alma
rasgando todos os meus sonhos
palavras que me arrastam para o banheiro
e me fazem sentir como aquele lixo imundo

Você é apenas um espelho de mim
um espelho que reflete em dobro a minha dureza
espelho que não aprendeu a me ver
aos poucos você me mata

Tempestade


O que faço eu Chuto o balde e me vingo dando murro na parede Vai me diz Você que sempre sabe de tudo Eu que sempre não sei A vida é uma bosta mesmo Foda-se Olha o seu umbigo Que cara é essa Eu não entendo porra nenhuma mesmo Calma o escambau Sei lá É sempre assim
É pois Bem que você me disse muitas vezes Cego que eu era não parava pra pensar nessa merda Mas que importa agora também Um dia eu lembro agora quando a gente caminhava pelo Parque você disse que às vezes não se entendia que era atravessada por um deserto E eu escrevia longas cartas de amor Era seu rio e me desaguava em você Foi assim a fios por anos Um dia choveu muito Encheu me saco eu fiquei muito puto da vida Aí você não aceitou minha enxurrada minhas porcarias todas e me surpreendeu com uma tsunami

Quero Um Buraco

© The Mind of Marguerita.com
quero um buraco
bem grande e fundo
sou bicho do mato
é-me estranho o mundo

merda no ventilador

Outro dia, o Marcelino Freire, do eraOdito, visitou o micropoema e me deu algumas sugestões, dentre as quais a de "jogar merda no ventilador". Com um amigo meu, saiu isto:
...
a quatro mãos com Max
percorro a noite
como um verme
percorre a merda

Constatação

"29 milhões de ligações do povo brasileiro votando em algum candidato para ser eliminado do Big Brother. Vamos colocar o preço da ligação do 0300 a R$ 0,30.
Então, teremos R$ 8.700.000,00. Isso mesmo! Oito milhões e setecentos mil reais que o povo brasileiro gastou só nesse paredão. Suponhamos que a Rede Globo tenha feito um contrato "fifty to fifty" com a operadora do 0300, ou seja, ela embolsou R$ 4.350.000,00. Repito, somente em um único paredão...".
Alguém poderia ficar indignado com a Rede Globo e a operadora de telefonia ao saber que as classes menos letradas e abastadas da sociedade, que ganham mal e trabalham o ano inteiro, ajudam a pagar o prêmio do vencedor e, claro, as contas dessas empresas. Mas o "x" da questão, caro(a) leitor(a), não é esse. É saber que paga-se para obter um entretenimento vazio, que em nada colabora para a formação e o conhecimento de quem dela desfruta; mostra só a ignorância da população, além da falta de cultura e até vocabulário básico dos participantes e, conseqüentemente, daqueles que só bebem nessa fonte.
Certa está a Rede Globo. O programa BBB dura cerca de três meses. Ou seja, o sábio público tem ainda várias chances de gastar quanto dinheiro quiser com as votações. Aliás, algo muito natural para quem gasta mais de oito milhões numa só noite! Coisa de país rico como o nosso, claro. Nem a Unicef, quando faz o programa Criança Esperança com um forte cunho social, arrecada tanto dinheiro. Vai ver deveriam bolar um "BBB Unicef". Mas tenho dúvidas se daria audiência. Prova disso é que na Inglaterra pensou-se em fazer um Big Brother só com gente inteligente. O projeto morreu na fase inicial, de testes de audiência.
A razão? O nível das conversas diárias foi considerado muito alto, ou seja, o público não se interessaria.
Programas como BBB existem no mundo inteiro, mas explodiram em terras tupiniquins. Um país onde o cidadão vota para eliminar um bobão (ou uma bobona) qualquer, mas não lembra em quem votou na última eleição. Que vota numa legenda política sem jamais ter lido o programa do partido, mas que gasta seu escasso salário num programa que acredita de extrema utilidade para o seu desenvolvimento pessoal e, que não perde um capítulo sequer do BBB para estar bem informado na hora de PAGAR pelo seu voto. Que eleitor é esse? Depois não adianta dizer que político é ladrão, corrupto, safado, etc. Quem os colocou lá? Claro, o mesmo eleitor do BBB. Aí, agüente a vitória de um Severino não-sei-das-quantas para Presidente da Câmara dos Deputados e a cara de pau, digo, a grande ideia dele de colocar em votação um aumento salarial absurdo a ser pago pelo contribuinte.
Mas o contribuinte não deve ligar mesmo, ele tem condições financeiras de juntar R$ 8 milhões em uma única noite para se divertir (?!?!), ao invés de comprar um livro de literatura, filosofia ou de qualquer assunto relevante para melhorar a articulação e a autocrítica... Chega de buscar explicações sociais, coloniais, educacionais. Chega de culpar a elite, os políticos, o Congresso.
Olhemos para o nosso próprio umbigo, ou o do Brasil. Chega de procurar desculpas quando a resposta está em nós mesmos. A Rede Globo sabe muito bem disso, os autores das músicas Egüinha Pocotó, O Bonde do Tigrão e assemelhadas sabem muito bem disso; o Gugu e o Faustão também; os gurus e xamãs da auto-ajuda idem.
Não é maldade nem desabafo, é constatação. "
José Neumani Pinto / Radio Jovem Pan

Destino

avisto o mar
..............feito de sal
..............e silêncio
...
há um resto de corpo
um pouco de sangue
.......................frio
...
preciso de um sopro
............e me dissolvo
......................rio

bom dia... (espero)

- bom dia, sr.
- bom dia!
- mais alguma coisa?
- seu sorriso é lindo.
- obrigada! Já me disseram isso.
- mas aposto que não disseram uma coisa...
- o quê?
- que você acaba de me conquistar.

de volta pra casa...

Depois do feriadaço do Carnaval, cansado de descansar lá em Cunha, cá estamos nós para mais uma semana... ou melhor, mais um fim de semana! Eita maravilha! Como diz o Simão, "nóis sofre mas nóis goza". E vamos que vamos porque a fila precisa andar... Abraço forte e arigato pela visita!!!

Bienal do Livro de São Paulo

Informações sobre a 19ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo:

  • O credenciamento é gratuito para profissionais do setor mediante a comprovação.Para todos os casos serão solicitados documentos de comprovação tais como holerite + RG, Carteira de Associação, Oficio Timbrado da Escola +RG, Carteira de Estudante.
  • O Autor que não fizer parte de nenhuma editora expositora poderá solicitar o diretamente no evento. Para retirar a credencial será preciso a apresentação da obra publicada e R.G.
  • O credenciamento de Veículo de Comunicação e Jornalista será feito para os profissionais que forem realizar cobertura do evento. O credenciamento será diretamente no Centro de Imprensa, mediante identificação profissional.
  • Veja o atentamente os valores dos ingressos, esses valores são por dia de evento.
  • Inteira - R$ 10,00
  • Meia - R$ 5,00 - Estudantes e Aposentados mediante a comprovação
  • Menores de 12 anos , acima de 65 anos e deficientes físicos não pagam ingresso.

Para maiores informações entre no link do título acima. A Bienal acontecerá de 9 a 19 de março.

O Fim

com um resto de esperança
o telefone ainda soluça
gemendo teu nome
mas ninguém entende
...
guardo o teu retrato
coberto de poeira e saudade
...
o tempo passa
mas aqui dentro há algo que fica
pra sempre

O Inevitável

O motor do ônibus liga
engrenagens que se encaixam
cacos que cortam a alma
meu coração briga
insiste
quer ficar
e fica triste
ao constatar o inevitável

Chora em silêncio
num abraço
sem palavras
o último abraço
sem palavras
o último beijo
a última confissão de amor

Quero viver o último segundo
mas o tempo passa
Há uma parte de mim que fica
e a outra que parte
querendo ficar

Sou...

não sou o que visto,
mas visto o que sou.
...
grato pelas visitas recebidas, desejo uma ótima sexta-feira a todos. Inté mais e aquelabraço!!!

O Poeta e a Palavra

cada palavra pinga
para perto
do meu nariz
...
cada palavra é pingo
num deserto
sem oásis
...
...
lavrar
a palavra é.....
lavar.
a alma.......

Gregor?

subi na parede
escapei da aranha faminta
e desabei em alta velocidade...
...
.......................por um momento fiquei tonto
.......................olhei em volta e só o silêncio
.......................e uma sandália bem grande
.......................quase me pisando...

Instantes

Jorge Luiz Borges (1899/1986)
.
"Se eu pudesse viver novamente minha vida, na próxima,
trataria de cometer mais erros.
Não tentaria ser tão perfeito, relaxaria mais.
Seria mais tolo ainda do que tenho sido,
na verdade bem poucas coisas levaria a serio.
Seria menos higiênico.
Correria mais riscos, viajaria mais,
contemplaria mais entardeceres,
subiria mais montanhas, nadaria mais rios.
Iria a lugares onde nunca fui,
tomaria mais sorvetes e menos lentilha,
teria problemas reais e menos
problemas imaginários.
Eu fui uma dessas pessoas que viveu sensata
e produtivamente cada minuto de sua vida;
claro que tive momentos de alegria.
Mas, se pudesse voltar a viver, trataria de ter
somente bons momentos.
Porque, se não sabem, disso é feita a vida,
só de momentos, não percas o agora.
Eu era um desses que nunca ia a parte
alguma sem um termômetro,
uma bolsa de água quente,
um guarda-chuva
e um pára-quedas;
se voltasse a viver, viajaria mais leve.
se eu pudesse voltar a viver,
começaria andar descalço
no começo da primavera
e continuaria assim até no fim do outono.
Daria mais voltas na minha rua,
contemplaria mais amanheceres
e brincaria com mais crianças,
se tivesse outra vez uma vida pela frente.
Mas, já viram, tenho 85 anos
E sei que estou morrendo."

Flip 2006

Flip acontece depois da Copa e homenageia Jorge Amado
A 4.ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) define data e homenageado
AE
Rio de Janeiro - A 4.ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) já tem data definida: entre 9 e 13 de agosto. A Flip geralmente acontece em julho - no ano passado foi realizada de 6 a 10 - mas, prudente, a organização preferiu, este ano, esperar o fim da Copa do Mundo de futebol.
E, como nos anos anteriores, um escritor será homenageado. Em 2006, o escolhido foi Jorge Amado. A programação ainda está em negociação e deverá ser divulgada em Julho.
Jorge Amado - vencedor de diversos prêmios nacionais e internacionais - foi o romancista brasileiro com o maior número de obras traduzidas em todo o mundo, a maioria delas retratando os tons sensuais de sua nativa Bahia. Muitos de seus livros viraram, posteriormente, filmes e novelas de sucesso, como Gabriela, Cravo e Canela e Dona Flor e Seus Dois Maridos.
Fonte: Estadão

Espuma Temporária

Alguns leitores teceram comentários sobre as leituras deste poema, estou republicando na sua nova forma. Abraços e até segunda!
.
.
.
Quem sou eu? Nada sei de mim
transparente espuma temporária
vago no abismo da estratosfera
sem passado e sem futuro
um abismo em mim mesmo
uma pena que se move
sobre a folha nua
na tentativa
inútil
útil
til
e
ma
ema
que voe
que tenha asas
de escrever um poema

sede de luz

tenho sede de luz
por isso tenho olhos
...
............quando nasci
..........................sob o céu de Cunha
............vi um sol bem forte
..........................rompendo a noite
...
meus olhos se encheram de tanto verde e azul
...
um dia tive fome de mundo
e no mundo, tive fome de palavras
para parir meu grito

nada sei de hoje

* * * * * * * * * * * * * * *
hoje já é amanhã
e o silêncio rasgando a madrugada
um feixe de luz
na retina dos meus olhos
nada sei de hoje
* * * * * * * * * * * * * * *

um arado rasgando a carne


E recebi do amigo Cláudio B. Carlos do Balaio de Letras dois exemplares do seu livro "Um Arado Rasgando a Carne" e maravilha!!! E como ele, também "não sei nominar o que sinto / que nome se dá a um arado rasgando a carne?". Um exemplar autografado para mim, obrigado! O outro para o Projeto Biblioteca Livre, de iniciativa do Jean Scharlau. Já está libertado, sendo lido por aí. Viva a palavra em movimento. Viva a poesia para todos!!!

Casa do Escritor

Navegantes... estará entrando no ar amanhã, 13/02, o Casa do Escritor, do qual a amiga Saramar é sócia. É um site para escritores e poetas e os leitores poderão deixar seus comentários como em um blog. Confira!!!

......................................

não tenho palavras
sou todo silêncio
qualquer dia desses
hei de ser poeta

Hábito

Habito solitário
e quando chego em minha toca
ponho todos os meus rabos pra dentro
e depois abro as portas dos meus livros
e as palavras pulam, cantam, gritam, gozam...
sussurram em meus ouvidos
seus sólidos segredos
e tomam conta da casa toda
ultrapassam as paredes como fantasmas
tiram a minha roupa
se atrevem a entrar sob meus cobertores
e me acariciam como lajotas, tijolos, blocos e pedras
até que eu durma
em paz
sem palavras
sem
pa
la
vras

Navegantes

... sumi do blog porque meu computador pediu água, durante a semana inteira resolveu brigar comigo. Hoje tivemos uma conversa séria, mexi numas porquinhas, uns fios... ele voltou a funcionar. Agradeço pela visita e espero poder publicar novidades em breve.
Abraços!

três micropoemas pra começar fevereiro

não preciso de um tempo

....................pra pensar
preciso de muitas coisas
...................pra fazer

assim eu serei outro
..................te vendo com outro olhar

******************

.

cheguei em casa, hoje
o telefone tava chorando
teu nome
nada mais
...
tirei a roupa
tomei um banho
tirei o ego
e te liguei
.
Manhã

É difícil acordar
Lavar o rosto
E encarar
No espelho
A minha face nua
Em pêlo
Depois de uma noite inteira
De sonhos
E pesadelos

Tempo de Amor



com Alessandra e Max

Não há estrelas no céu que vejo
mas as estrelas existem
quando sinto o sabor da tua boca
quando sinto o sabor do teu beijo

Vejo então nos teus olhos
o brilho que não percebo nas estrelas
pois não há estrelas no céu
mas as estrelas existem

Não há lua no céu
não há lua no mar
mas mesmo assim
eu vejo a lua no teu olhar

Não há lua no céu
pois o tempo não existe.
O tempo não existe? Existe!
O tempo existe, não existe!?
Mas não há lua no céu.

Não há lua no céu,
não há lua no mar.
Mas vejo a lua no teu olhar,
e o tempo não existe.

O tempo existe?
O tempo não existe,
o tempo é convenção.
Só o tempo presente que existe.

A lua insiste,
o brilho persiste
e as estrelas, existem!

O tempo existe?
Existe ou não existe...
Mas desista de pensar...
A lua está no céu
mas a vejo no mar
A lua está no céu
mas em que céu a brilhar?
O céu está no lugar do tempo.

O badalo da lua
no relógio do céu:
o tempo.
Tempo que perdemos,
tempo que tentamos nos encontrar.
Tempo que não existe
entre a minha boca e o teu olhar.

Não há estrelas no céu que vejo,
mas as estrelas estão a brilhar
no breve espaço de tempo que um beijo
celebra o casamento do nosso olhar.

Campos e Espaços

a Haroldo de Campos


As folhas são flores
em campos pedregosos
em espaços solitários

As flores são folhas
em campos verdejantes
em espaços ocupados

A folha pálida angustia
o poeta arquiteto
incompleto
co-reto
na concreta poesia
de concreto e pedra
lapi(s)dada
pela calejada mão
do pedreiro inconformado
com as paralelas linhas infinitas...

A folha pálida contagia
o poeta exato
de palavras curtas
de versos sólidos
e sentimento abstrato

A folha pálida desafia
o poeta inexato
sem palavras bonitas
numa oficina de signos
em que habita sensato e único

não dá

ainda não
ainda não dá

é cedo ainda
é cedo para amar

assim se vive
à espera do amanhã

que nunca chega
que já passou

O Sonho

madrugada
e o silêncio noturno
pesando sobre a pupila dilatada
...
e o corpo jogado no leito
coberto de pêlos e sonhos
insiste em viver
...
é um resto de corpo que existe
prendendo uma alma já de partida
...
quem vê pensa que é gente
quem sente acha que é vida
...
mas é uma alma vagando perdida
entre o que já foi e será

ela, a outra

E quando não houver mais sol
nem estrelas
nem mar
nem aquele brilho no olhar

e quando não houver nem dor
quando o corpo todo for a própria dor

----------------------------------------

ela, a outra

ela vem
cada vez mais perto de mim
sinto sua sombra
seus suspiros, seus gemidos

ela vem
caminho pra ela sem fim
como uma criança
não a conheço mas estou indo

Algumas Palavras

Navegantes, aguardem que em breve sairá meu segundo livro. Eita maravilha!!! As coisas estão caminhando... vamos que vamos!!!
.
mais uma oportunidade
Foi divulgado, em 22/01/06, a QUARTA EDIÇÃO DO PRÊMIO CASA DE CULTURA MÁRIO QUINTANA, concurso literário que neste ano contemplará a categoria POESIA, com duas premiações, uma para Adultos outra para Jovens.
O prêmio, para ambos, será um contrato de edição da obra com 1.000 (um mil) exemplares com a Nova Prova Editora, mais R$ 8 mil e lançamento na 52ª Feira do Livro de Porto Alegre.
Clique no link e veja o regulamento.

Louca Saudade

Às vezes te procuro, meu amor
por entre as lembranças em que me perco
mas só encontro retratos e cartas
espalhados pela cama toda
não encontro o seu colo nem os seus seios
onde poderia se desfazer toda agonia e esta inquietação endógena

Meu amor, por entre cartas e retratos
entre poemas e retalhos de palavras
entre lágrimas e sua voz no celular gravada
entre folhas, flores e barquinhos de papel
espalhados entre as quatro paredes do meu quarto
sou apenas um fiapo de homem
navegando nos mares da saudade
à distância que me separa de você

Lapso

"no começo é ruim depois piora"
.
"antes mal acompanhado do que só"
.
.
nascemos pelados
depois criamos pelos
vivemos nos pelando... por tudo
morremos pelados
.
.
.
menina de 5 anos com a mãe no ônibus
...
menina: eu que escolhi o presente.
mãe: eh!
menina: eu te amo muito, mãe.
mãe: rsrsrsrs...
menina: quero te dar um abraço!
...
mãe-menina
menina-mãe
(abraço)

Lygia Fagundes Telles

Leia entrevista com a autora na Revista TPM.

1º CONCURSO LITERATURA PARA TODOS

"Numa iniciativa inédita, o Ministério da Educação criou o concurso literário Literatura para Todos. Com o objetivo de estimular a produção de livros escritos para jovens e adultos recém-alfabetizados, o concurso vai selecionar oito obras de diferentes gêneros literários que serão impressas e distribuídas pelo MEC para alunos das turmas do programa Brasil Alfabetizado.
Os livros deverão ser inéditos e podem se encaixar nas modalidades conto ou novela; crônica; poesia; biografia ou relato de viagem; ensaio ou reportagem; textos da tradição oral; esquetes, scripts, peças teatrais, roteiros de vídeo, cinema, quadrinhos; ou textos utilizando linguagem das Tecnologias de Informação e Comunicação (e-mails, blogs, comunidades virtuais, grupos de discussão, etc.)
A comissão julgadora vai selecionar oito obras, uma por modalidade, para serem editadas e distribuídas para todo o país. Cada livro terá uma tiragem inicial de 300 mil exemplares. Os autores dos livros escolhidos receberão prêmio de R$ 10 mil cada. Os textos deverão considerar as especificidades dos jovens e adultos em processo de alfabetização, contendo uma narrativa atraente a este público.
Os interessados em inscrever suas obras no concurso deverão fazê-lo entre 16 de dezembro de 2005 e 16 de março de 2006. Os textos deverão estar de acordo com os critérios previstos no edital do concurso (disponível para download) e devem ser enviados em três cópias impressas e uma em disquete para a Coordenação-Geral de Alfabetização do Departamento de Educação de Jovens e Adultos da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação no endereço Esplanada dos Ministérios, Bloco L, sala 710, CEP: 70.047-900, Brasília, DF. Eventuais dúvidas poderão ser sanadas pelo endereço eletrônico concursoliterariosecad@mec.gov.br."
...
Confira na página o edital clicando aqui.
...
Fonte: SECAD/MEC

A Vida

A vida é muito curta
É só um suspiro de horas
Minutos e segundos que vão passando

Há em cada segundo uma vida
Uma vida para ser vivida

A vida é curta
A vida é breve e passa
Não cabe num poema a brevidade da vida

Chama

a palavra falada
nada
na taça da dama
acha vaga
na cama da ama
...
a chama da manhã
avança na cama
apaga a chama
da ama mal-amada

Quem Ama, Cutuca!

quem ama caduca
quem ama machuca
quem ama também xupa
quem ama escuta
quem ama dá upa
quem ama traga uca
quem ama desculpa
quem ama é mutuca
quem ama também cutuca
...
e por aí vai numa muvuca de amar é cheia...
Tu és o quélcio do pentalganilho
saltando as rimpas do pijoncidélio
...
Teus olhos tem abarcalhantes
que murmuram antes
dos catalecismos

ENTREVISTA DE EMPREGO

Recebi uma mensagem no orkut com esse texto e ri sozinho... não agüentei e tive que publicá-lo aqui. Essa é boa!!!! kkkkkkk
...
1) Candidato da USP:
...
Diretor: Qual é a coisa mais rápida do mundo?
Candidato: Ora, é um pensamento.
Diretor: Por que?
Candidato: Porque um pensamento ocorre quase instantaneamente.
Diretor: Muito bem, excelente resposta.
...
2) Candidato da PUC:
...
Diretor: Qual é a coisa mais rápida do mundo?
Candidato: Um piscar de olhos.
Diretor: Por que?
Candidato: Porque é tão rápido que as vezes nem vemos.
Diretor: Ótimo
...
3) Candidato de UNICAMP:
...
Diretor: Qual é a coisa mais rápida do mundo?
Candidato: A eletricidade.
Diretor: Por que?
Candidato: Veja, ao ligarmos um interruptor, acendemos umalâmpada a 5km de distância instantaneamente.
Diretor: Excelente.
...
4) Candidato da Escola Rural de Minas Gerais:
...
Diretor: Qual é a coisa mais rápida do mundo?
Candidato: Uma diarréia...
Diretor: Como assim? Esta brincando? Explique isso...
Candidato: Isso mesmo. Ontem a noite eu tive uma diarréia tão Forte que antes que eu pudesse pensar, piscar os olhos ou acender a Luz, já Tinha me cagado todo...
Diretor: O emprego é seu!

Editora "X" S.A.

E por falar em "formas" pré-estabelecidas socialmente, será que algum dia alguma Editora se interessará em publicar estes versos??? Talvez se eu me enquadrasse n'alguma forma! Quem sabe?! De fato tento, como todo escritor que quer ser escritor. Porque a gente só se torna escritor quando aprovado por olhos alheios. Até então somos simples mortais, normais... Precisamos de aprovação. Principalmente a do capitalismo! Não se faz coisas por prazer, mas por dinheiro, por lucro a curto prazo. E quem não quer ganhar o seu dindin? Ora, estamos presos. É assim que funciona, não adianta correr. E assim, vamos que vamos porque "se ficar o bicho come e se correr o bicho pega"! Um dia quem sabe surge uma proposta, porque já recebi respostas negativas. Mas isto não significa o fim. Só há fim quando se desiste!

Livres e Presos

to de saco cheio
que se dane o mundo
sou livre e estou preso por vontade
caminhamos assim
na ilusão de que somos livres, livres, livres
livres de que?
estamos todos em forminhas sociais
em panelas, tachos - que inferno!
somos o que os outros acham que somos
e assim remamos - saindo de uma panela caindo na outra
livres e presos
precisamos da aprovação de olhos alheios
nossos olhos estão muito próximos para enxergar a nós mesmos

Verso Partido

faço versos como quem pare
..................e parto
partindo,
................nem bem cheguei.
...
parto partido..........................
..............atravesso a nado
....................o rio dos meus olhos.

Galera,

agradeço a todos pela visita! Abraços, beijos e uma ótima quarta-feira!
...
***
2006 pra mim
já começou do avesso
começo
com cara de fim
***

Brasa Viva

você pensa
vou ser pena
voe e venha
vou ser lenha
você queima

Solitário Instante



Alta madrugada sob o lençol
da noite solitária e sombria,
desejoso dos quentes raios de sol
a iluminar-me na sombra do dia,

teu corpo almejo, mas estou sozinho,
destituído de vida e, ausente
na saudade e na angústia aqui presente,
tomado de amor, cálice de vinho

que me embriaga nos sonhos noturnos,
espectros, ilusões e pesadelos
em que te amo e me afogo em teus cabelos

e ouço tua voz sussurrando ao meu ouvido
e te aperto ao peito a ouvir teu gemido
e amo-te o corpo, a alma e o perfume.

Loucuras

Gostar de você é um erro!
Ao me apaixonar por você
fiz o meu próprio enterro.
...
Gostar de você é loucura!
Ao me entregar a você,
diz, não fui pra sepultura?

Como Contar Um Conto

Os apaixonados pela escrita, mais precisamente pelo conto, não podem deixar de ler o livro Como Contar Um Conto, do Gabriel García Márquez, autor de Cem Anos de Solidão. Li e recomendo. O Livro é resultado de uma oficina literária da Escola Internacional de Cinema e Televisão de San Antonio de los Baños.

LIBERDADE

Nesta tarde quero estar mais perto de Deus,
Mais perto do Sol, da Lua, do Céu...
Voar feito um pássaro
Livre, leve e solto na imensidão do ar.
Voar, voar, voar...
Para mais perto das estrelas e ver o mar;
Voar, voar, voar...
Para mais perto do sol e depois voltar;
Voar, voar, voar...
E junto com o sereno da noite molhar
As plantas, as flores, as orquídeas, os bosques...
E quando o Sol nascer eu quero estar
Envolvendo as pétalas das flores mais lindas...
Quero andar descalço pelos campos
E sentir o cheiro da terra;
Quero ser criança e estar em liberdade...
Voar, voar, voar...
Livre, leve, solto e sempre...

simplesmente LISPECTOR

Intolerância



Aos poucos você me mata
atira lajotas na minha cabeça
atira tijolos que eu uso para construir nosso castelo
essas palavras que eu uso para sonhar nossos sonhos

Palavras que penetram minha alma
rasgando todos os meus sonhos
palavras que me arrastam para o banheiro
e me fazem sentir como aquele lixo imundo

Você é apenas um espelho de mim
um espelho que reflete em dobro a minha dureza
espelho que não aprendeu a me ver
aos poucos você me mata

Paixão


Primeiro um olhar
...
depois o encontro
ou o afastamento
...
depois um toque
ou o desejo irreprimível
de realizá-lo
...
depois um beijo
perdidamente apaixonado
ou a saudade do encontro
nunca antes consumado
...
depois as conseqüências seguintes
perdidos que estão de amar
ou a angústia incompreensível
cansados que estão de esperar
a consumação do fato amor

Madrugada adentro

bêbado de insônia
tomo um banho, de madrugada
...
a garota do shampoo
olha e não diz nada
meus restos vitais
...
olhos de seda
vêem segredos mortais

Coca-Cola

Prezados(as) amigos(as) cibernéticos e reais, estou de volta e mais um ano está aí. Vamos vomitar muitos poemas, desafogar a alma, tirar essas palavras duras atravessadas no peito, no esôfago, esgoto e com gosto lançá-las ao vento, com gosto e gozo de fazedor e, apesar de todas as dores, inclusive a do parto, partimos, pois, por mais um ano e maravilha!!!
Para começar, vamos encher a cara de coca-cola:
...
Coca-Cola
...
Quase louco
de paixão
caio
na cadeira
de um bar
...
Chapo a cara
e encho o coco
de coca-cola
...
Quando acordo
da ressaca
tenho em cacos
meu coração
carente

Feliz 2006

Olá, bom dia!!! Estou de volta e maravilha! Feliz 2006 para todos nós, saúde e paz! Muito amor, sucesso e prosperidade!!! Novamente o trabalho, novos desafios, tantos projetos e vamos que vamos porque o trem não pode parar.
Até mais tarde e um forte abraço para todos! Viva a poesia!!!

Sono

A sombra da noite persegue meu dia soca meus olhos beija meu corpo afaga meu ego e se desfaz